Captura, reabilitação e soltura do Elefante marinho Fred

Saúde Fragilizada

No final de janeiro de 2017 o elefante marinho conhecido como Fred pela população retornou ao litoral do ES, dessa vez em uma praia de São Mateus, no norte. O Projeto de Monitoramento de Praias da Petrobrás (PMP-BC/ES) - executado pela empresa Scitech - encontrou o animal no primeiro momento, informando o IPRAM. O PMP-BC/ES é responsável por proporcionar o estudo de carcaças ou o atendimento veterinário a animais marinhos encalhados no litoral do ES, como uma condicionante de licenciamento ambiental estabelecida pela Coordenação Geral de Petróleo e Gás do IBAMA. Ao anoitecer a equipe do IPRAM chegou ao local. Infelizmente, com muita tristeza constatamos severa perda de escore corporal, o que indicava um declínio da saúde desde os últimos avistamentos no começo do mesmo mês. Os ferimentos pelo corpo ainda não haviam cicatrizado, e serviam como porta de entrada para infecções. O IPRAM se comprometeu a contribuir compartilhando o conhecimento sobre o histórico e o comportamento do Fred no ES, e a providenciar medicamentos que não poderiam ser comprados em tempo hábil, além de manter sempre uma pessoa para acompanhar o atendimento do animal na base da Scitech todos os dias ininterruptamente, até que essa história chegasse ao final com a reabilitação do animal.






Monitoramento

O elefante marinho Fred escolheu uma praia deserta para repousar. Se não existisse o PMP-BC/ES da Petrobras, que percorre as praias diariamente, possivelmente o animal passaria vários dias sem ser descoberto, reduzindo suas chances de sobrevivência. Os mamíferos marinhos no norte do ES são estudados pelo Instituto Baleia Jubarte (IBJ), representante das Redes de Encalhes de Mamíferos Aquáticos do Nordeste (REMANE) e do Sudeste (REMASE), criadas pelo ICMBio. Logo no segundo dia o IBJ já estava conosco na praia, colhendo informações, ajudando na escala de revezamento (inclusive no período noturno) e ajudando a proporcionar sombra ao animal. O fato do animal ter escolhido uma praia deserta e de difícil acesso para se instalar também apresentou um lado positivo, pois não existiu conflito com banhistas, e as únicas pessoas da região eram famílias de pescadores locais que respeitaram de maneira maravilhosa todas as nossas recomendações.





Resgate

Uma vez que se optou pelo atendimento em cativeiro, a autorização e fiscalização das instalações do Fred era atribuição do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (IEMA), do Governo do Estado do ES. O Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) de Salvador, Bahia, enviou dois especialistas com anos de experiência em pinípedes para planejar e executar a captura e orientar as instalações adequadas em cativeiro, e foi a instituição responsável pelo delineamento de toda a operação, devido a sua experiência com o manejo de pinípedes em cativeiro e em anestesia. Em conjunto com o IEMA, o IBAMA e as ONGs envolvidas, optou-se por capturar e alojar o animal na base veterinária do PMP-BC/ES, que receberia adaptações em sua estrutura. As equipes trabalharam de forma coordenada, cada um com uma função, conforme a orientação dos Médicos Veterinários do IMA, Luciano Reis e Joana Ikeda. Somaram seus esforços a essa equipe técnicos do IBAMA, do IEMA e da Polícia Militar do ES (Policia Montada e Ambiental). Pela segurança dos profissionais e do próprio animal, Fred foi submetido a contenção química, teve sangue e outras amostras biológicas coletadas, parâmetros vitais monitorados, recebeu fluidoterapia, foi marcado com brincos numerados nas nadadeiras posteriores e recebeu a implantação de dois chips de identificação sob a pele. Após os procedimentos na praia, o animal foi envolto em uma lona grossa e removido com a pá de um trator fornecido pela prefeitura de São Mateus, sendo levado até o caminhão que transporta os cavalos da Polícia Montada, cujo motorista trabalhou com excelência, conduzindo o veículo com perícia para não prejudicar o elefante marinho (uma vez que esses profissionais já estão acostumados a transportar os cavalos com os cuidados necessários). Na base do PMP-BC/ES, sob responsabilidade da Scitech, Fred acordou, desembarcou e iniciou seu tratamento em cativeiro, recebendo medicações, alimento e sendo mantido em repouso.

Nessa etapa da captura do animal, merecem agradecimentos também o Médico Veterinário Eduardo Lázaro (Silvestres), a Dra. Jyzana Sanglard (SOS Hospital Veterinário) e o Vila Velha Pet Hospital por fornecerem rapidamente medicamentos indispensáveis que não poderiam ser comprados em tempo hábil com as distribuidoras.
















Reabilitação

Como requisitado pela Petrobras, pelo IBAMA e pelo IEMA, o Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA) e o Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (IPRAM) orientaram e mantiveram técnicos acompanhando pessoalmente todo o processo, até o fim. Enquanto "Fred" esteve mantido em cativeiro foram realizadas visitas de fiscalização de biólogos e médicos veterinários do IBAMA e do IEMA para avaliar as condições do local. Durante o seu tratamento o elefante marinho recebeu medicamentos, ingeriu entre 20 e 30 kg de peixe por dia e aos poucos recuperou seu escore corporal.


 


 

Devolução a Vida Livre

Após 139 dias de tratamento o paciente finalmente recebeu alta e foi solto no município de São Mateus, ES. Para ser considerado apto à soltura Fred precisou ser aprovado em numerosos exames, que comprovassem sua saúde e a ausência dos principais agentes infecciosos que podem acometer sua espécie. Foi elaborado um Informe Técnico apresentando os resultados dos exames e as condições de saúde do animal em co-autoria entre o Instituto de Mamíferos Aquáticos (IMA), IPRAM e Scitech, e esse parecer foi encaminhado ao IEMA e ao IBAMA, que elaboraram um parecer conjunto sobre a possibilidade de soltura do animal, considerando as Recomendações do Comitê Cientifico de Pesquisas Antárticas (SCAR) XXIV-3. Durante esse processo, o Centro Mamíferos Aquáticos (CMA/ICMBio) também foi contatado e se manifestou a favor da soltura do animal. Nossos agradecimentos aos diversos laboratórios que ajudaram a investigar a saúde do elefante-marinho "Fred", dentre os quais o Centro de Diagnóstico Veterinário (CDV), a UFES, o Laboratório de Zoonoses Bacterianas da USP e o Laboratório de Patologia Comparada de Animais Selvagens da USP.

A operação de soltura foi realizada com o apoio de parceiros como o Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (NEMA) da FURG-RS, e mais uma vez, o Instituto baleia Jubarte (IBJ), que é o representante da Rede de Encalhes de Mamíferos Aquáticos do Sudeste (REMASE) no litoral norte capixaba.

A partir de agora, caso seja reavistado em alguma praia, o elefante-marinho "Fred" poderá ser identificado com mais facilidade pelos pesquisadores por apresentar brincos com numeração nas nadadeiras posteriores e um chip sob sua pele, instalados pelo Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA). Outra novidade é que o animal está equipado com uma antena instalada pelos técnicos do NEMA (FURG-RS) que permitirá acompanhar seu deslocamento via satélite. Esse monitoramento nos ajudará a conhecer melhor o comportamento do "Fred" no litoral do Espírito Santo.

É importante que banhistas que por acaso encontrem "Fred" na praia não se aproximem e nem tentem remover o transmissor!